O que fazer em meio à guerra?

    Nós vivemos hoje em um mundo onde a vida do outro é completamente banalizada. Dói falar isso, mas nós literalmente não estamos nem aí para o que acontece no Oriente Médio, por exemplo. Você pode achar que eu estou sendo radical demais nessa fala, mas me responda uma pergunta: O que você fez hoje para conscientizar alguém de que precisamos salvar o mundo de um conflito generalizado? E é exatamente isso que eu quero discutir, precisamos de ações concretas, o mundo grita pavorosamente, implora nossa ajuda, e nós continuamos a explorar, até o dia em que esse conflito irá bater na nossa porta, e talvez seja tarde demais para fazer alguma coisa.

    É triste falar isso, mas a história que estudamos em livros parece cíclica, a forma que as guerras começam pelo mundo parecem semelhantes. Veja os EUA lançando mísseis contra países do oriente e matando civis, e ainda justificando estes atos como algo que "nos protege de uma ameaça maior". Em 2003 eles fizeram o mesmo durante a invasão do Iraque, a troco de que exatamente? Eles tentaram extinguir o grupo terrorista Al Qaeda, mas tudo que conseguiram foi apreender algumas armas (que até hoje nunca foram vistas), e dar forças para a criação de outro grupo extremista, o Estado Islâmico que hoje eles combatem.
    De fato, estes grupos extremistas precisam ser extintos, mas a forma com que as potências militares agem são realmente eficientes? Quantos civis são mortos todos os dias sem saber o que acontece ao seu redor? E nós só noticiamos estes fatos, nada mais. A compaixão para com o outro está acabando, e nós não podemos deixar este sentimento se esvair, precisamos lutar, se não for com armas que seja com o amor que nós temos, que seja com o altruísmo, que seja com tudo, menos com a indiferença.
    Soluções ainda não temos, infelizmente. Precisamos, para começo de conversa, conhecer aquele que sofre, e analisar o que ele realmente precisa, não podemos fazer com que esse tipo de notícia seja algo que não abale nossos sentimentos. Amar ao próximo como amamos a nós mesmos, um mandamento que hoje, mais do que nunca, precisa ser seguido ao pé da letra.

2 comentários

  1. Anônimo8:19 PM

    Meu caro, quem deu forças para o desenvolvimento do Estado Islâmico foi o Obama, ao retirar as tropas estadunidenses do Oriente Médio. Precisamos de mais canetas deserquerdizadoras nos textos dos futuros jornalistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas muitos presidentes apoiaram (e continuam apoiando) grupos terroristas menores, mas como a própria história nos diz, não foi Obama o presidente dos EUA na década de 80, durante a guerra Irã x Iraque, não é mesmo? Precisamos sim de futuros jornalistas imparciais, mas também precisamos de leitores que saibam interpretar nossa mensagem, e não venha julgar uma vida inteira em poucas linhas. Agradeço o retorno.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.