Review: A Cor do Leite - Nell Leyshon


Título: A Cor do Leite
Título Original: The Colour Of Milk
Autora: Nell Leyshon
Tradutor: Milena Martins
Gênero:  Ficção inglesa, Literatura Internacional.
Fixa etária: -
Editora: Bertrand Brasil
Ano copyright: 2012
Ano de Edição: 2014
Edição: 1
Idioma: Português
Página: 208

Sinopse: Uma história sensível de superação e coragem em 1831, uma menina de 15 anos decide escrever a própria história. Mary tem a língua afiada, cabelos da cor do leite, tão brancos quanto sua pele, e leva uma vida dura, trabalhando com suas três irmãs na fazenda da família. Seu pai é um homem severo, que se importa apenas com o lucro das plantações. Contudo, quando é enviada, contra a sua vontade, ao presbitério para cuidar da esposa do pastor, Mary comprovará que a vida podia ainda ser pior.

Sem o direito de tomar as decisões sobre sua vida, Mary tem urgência em narrar a verdade sobre sua história, mas o tempo é escasso e tudo que lhe importa é que o leitor saiba os motivos de suas atitudes.

'A cor do leite' apresenta a narrativa desesperada de uma menina ingênua e desesperançosa, mas extremamente perspicaz e prática. Escrito em primeira pessoa e todo em letras minúsculas, o texto possui estrutura típica de quem ainda não tem o pleno controle da linguagem. A jovem narradora intercala a história com suas opiniões, considerados por alguns críticos os trechos mais angustiantes da obra.
*Não contém spoiler.

Olá!

Antes de você começar a ler sobre a minha visão da história, recomendo que você leia a sinopse acima. Decidir não escrever um resumo da história para não ficar repetitivo e, parti direto para a resenha.
" Mas tem vezes que a memória guarda coisas que a gente não quer nunca mais ouvir falar e não importa quanto a gente tenta tirar elas da cabeça. elas voltam. " 
História curta e que flui normalmente. Os Capítulos são divido pelas estações do ano, começando na primavera. É contada por Mary, uma personagem com o vocabulário bem grosseiro por falta de estudo, mas conseguiu aprender o suficiente para contar essa história. A narrativa é pessoal, como se ela estivesse escrevendo uma carta ao leitor. No inicio a narrativa pode não fazer sentindo, mas é esclarecida no final. 

Com uma história cruel e triste. Não acontece grande reviravolta. O ponto forte da história é o final, antes disso pode ser um pouco tedioso. É um livro bom para quem quer algo despretensioso. Apesar de se tratar de uma ficção que se passa no século XIX, não está longe da realidade. Há muito temas que estão presente até hoje na sociedade. Relatas assuntos como autoritarismo e machismo.
“o senhor não fica triste?, eu perguntei.

não por muito tempo.

nem eu, eu falei. tem umas vezes que eu tenho que ficar me lembrando que estou triste senão eu começo a ficar feliz de novo."
Não esqueça de comentar se já leu ou tem interesse em ler A cor do Leite. 

4 comentários:

  1. Tenho esse livro já faz um tempo e sempre adio a leitura, mas tenho muito desejo em ler e espero conseguir fazer isso em breve!

    xox
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Clarissa Assis!
      Ler sim, e depois volte aqui e me conte o que achou.
      Beijos'

      Excluir
  2. Parece ser muito interessante e triste a história, me interessaria se não fosse o fato de ser todo em letrar minúsculas, acho que isso me fazeria perder a atenção no que estou lendo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Realmente é triste a história. Que pena que isso pode fazer você perder a atenção. Porém acho que ao longo da leitura você pode se acostumar. Isso não me incomodou. A escrita é assim porque como eu disse, é como se fosse uma carta da personagem ao leitor, e a personagem não teve um estudo adequado e viveu a maior parte da vida em uma fazenda e a família dela não tinha escolaridade.

      Beijos'

      Excluir